Pol√≠tica Justiça

Justiça suspende CPI da Educação por descumprimento do regimento interno da Câmara

O pedido foi feito pelos vereadores Paulo Arantes, Juninho Virgílio e Fred Rangel.

Por Redação

08/11/2023 às 17:40:04 - Atualizado h√°
Foto: Divulgação

O juiz Leonardo Cajueiro, da 4¬™ Vara Cível de Campos dos Goytacazes, determinou, nesta quarta-feira (8), que o presidente da C√Ęmara Municipal, Marquinho Bacellar, cumpra o regimento interno do legislativo e suspenda imediatamente a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Educação.

O pedido foi feito pelos vereadores Paulo Arantes, Juninho Virgílio e Fred Rangel. Os edis alegam descumprimento do regimento interno da C√Ęmara.

Os parlamentares afirmam que houve "violação aos seguintes dispositivos legais: art. 58, ¬ß3¬ļ da CRFB, art. 31 da LOMCG e arts. 115, 116 e 118 do RICMCG. Sustenta que o ato (AE 036/2023) praticado pela autoridade coatora não preencheu as exig√™ncias da ordem jurídica para criação de CPIs, na medida em que:
1. 1- Não apontou fato determinado;
2. 2- Não fixou prazo certo para seu funcionamento"

O magistrado deferiu o pedido de liminar e assim fundamentou:

"O requerimento liminar deve ser DEFERIDO.

Inicialmente merece registro que o ato que se pretende suspender prev√™ expressamente no corpo do seu texto o prazo de 180 (cento e oitenta) para seu funcionamento e remete eventual prorrogação aos termos regimentais. Logo, quanto ao prazo de funcionamento da comissão tempor√°ria, não h√° vício a merecer reparo através do presente remédio constitucional.

Todavia, quanto à alegação de aus√™ncia de fato determinado a conclusão deve ser outra.

As CPIs desde o seu delineio constitucional submetem-se à exig√™ncia de apuração de FATO DETERMINADO. No presente writ h√° previsão regimental expressa (Art. 115 do RICMCG) no mesmo sentido.

Entretanto, o ato executivo 036/2023 que instituiu a "CPI da educação", apontou como objeto de apuração "a situação caótica da educação municipal" para, em seguida, de modo complementar, esclarecer "a utilização dos recursos do FUNDEB, nas adesões de atas de licitações com valores suspeitos, nos aditivos de contratos e nas compras acima do mercado".

A primeira parte da motivação do ato é flagrantemente abstrata. J√° a segunda parte, ainda sem definir exatamente o que ser√° investigado (genérica), j√° inclui no objeto de investigação a certeza de irregularidades.

"Como é cediço, fato determinado é aquele que não se afigura vago, genérico, abstrato ou inespecífico. Logo o objeto da CPI deve ser um fato determinado, cuja descrição deve informar, com clareza e precisão, elementos que remetam à certeza e delimitação do objeto, de modo a balizar a atuação de seus trabalhos." (TJRJ, RNMS 0013457-49.2018.8.19.0007).

A exig√™ncia tem por escopo delinear o fato-alvo a ser investigado, de modo traçar a rota de trabalho da comissão.

No presente writ temos prova documental pré-constituída (procedimento administrativo interna corporis que embasou o ato aqui impugnado, index 85590353) do qual se pode inferir atos específicos a serem investigados (fls. 05, 06 e 08). Porém, o ato de criação da CPI não os especificou. Doutra parte, no index 85590354, temos demonstração da vagueza no rumo da investigação dada a generalidade e o vasto recorte temporal das solicitações contidas no ofício de fls. 02 e 03.

Pelas razões acima expostas, reputo presente o fumus boni iuris necess√°rio a concessão de liminar. Reputo, ainda, presente o periculum in mora, haja vista termos comissão instaurada fora de par√Ęmetros legais (em cognição preliminar e prec√°ria) praticando atos administrativos (index 86130174 e 85590354) com base em Ato Executivo de legalidade duvidosa (insistase) a atingir esfera jurídica de terceiros fora do devido processo legal.

Faz mister trazer fragmento de texto estudado quando de nosso curso de doutorado, com preciosa lição dando conta de que nem sempre a CPI "é instaurada exclusivamente com o fim de apurar irregularidades: muitas vezes uma CPI é instala para se angariar benefícios eleitorais ou prestígio com um grupo de interesse; como estratégia da oposição para desgastar a imagem do governo; para se conseguir benefícios políticos, de barganha com o governo; como forma de pressionar outro grupo a retardar ou suspender investigações em outra arena, até mesmo outra CPI; para impedir a instalação de outra comissão, dado o limite de cinco CPIs trabalhando simultaneamente". LEMOS. O controle legislativo no Brasil pós-1988.

In: Instituições representativas no Brasil: balanço e reforma (Orgs. NICOLAU, Jairo, Timothy J.), p. 46. Essa é a razão pela qual nossa ordem jurídica impõe em diversas oportunidades a determinação do fato investigado (art. 58, ¬ß3¬ļ da CRFB, art. 109, ¬ß 3¬ļ da CERJ, art. 31 da LOMCG e art. 115 do RICMCG) com o propósito de condicionar a atuação da comissão dentro do interesse público uma vez que os atos estudados pela ci√™ncia política, em termos de direito administrativo, importariam em desvio de finalidade.

Portanto, pelas razões acima expostas, em car√°ter liminar, em cognição preliminar e prec√°ria, sem que importe em vinculação a futura decisão definitiva de mérito, faz-se necess√°rio suspender os efeitos do Ato Executivo N¬ļ 36/2023 que instalou a CPI da Educação. Pelo que foi exposto,

1. 1- DEFIRO o requerimento liminar para SUSPENDER OS EFEITOS DO ATO EXECUTIVO N¬ļ 36/2023 que instalou a CPI da Educação;

2. 2- Notifique-se o impetrado, com urg√™ncia e pelo OJA de plantão, NA FORMA do art. 7¬ļ, I da Lei 12.016/2017 para que no prazo de 10 (dez) dias, preste as informações", decidiu o juiz.

Com informações do Tribuna NF

Comunicar erro
Campos Informa

© 2023 Campos Informa - Todos os direitos reservados.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Campos Informa