Pol√≠cia Operação

MPRJ cumpre mandados contra empresários do ramo da reciclagem em Campos

Investigações do GAECO/MPRJ revelaram que os empres√°rios movimentaram mais de R$ 122 milhões entre os anos de 2018 e 2022.

Por Redação

14/11/2023 às 18:55:03 - Atualizado h√°
Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Intelig√™ncia (CSI/MPRJ), e a Polícia Civil, por meio da 146¬ļ DP (Campos dos Goytacazes), cumprem, na manhã desta terça-feira (14/11), 20 mandados de busca e apreensão em endereços de pessoas físicas e jurídicas investigadas pelos crimes de organização criminosa, receptação, furto, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. De acordo com o GAECO/MPRJ, os alvos são empres√°rios do ramo da reciclagem. As buscas ocorrem em Campos dos Goytacazes, na Região Norte Fluminense, e em Vila Velha, no Espírito Santo. Investigações do GAECO/MPRJ revelaram que os empres√°rios movimentaram mais de R$ 122 milhões entre os anos de 2018 e 2022.

A investigação do GAECO/MPRJ e da Polícia Civil tem como objetivo o combate ao fluxo financeiro e poderio econômico da organização criminosa. A pedido do GAECO/MPRJ, a Vara Especializada em Organização Criminosa da Capital expediu mandados para as empresas Amviplast Indústria e Comércio de Pl√°stico, JF R indústria e Comércio de Metais, R Barreto Comércio de Metais, RGC Reciclagem e Rio Campos Soluções e Reciclagem. Na cidade capixaba, as buscas acontecem nas empresas Rio Campos Vitória ES Comércio de Sucatas e Rio Campos Ibatiba Comércio de Sucatas. O GAECO/MPRJ também obteve a quebra de sigilo fiscal das empresas investigadas.

Investigações do GAECO/MPRJ e da Polícia Civil também revelaram que a organização criminosa comercializa metal proveniente de furto na rede ferrovi√°ria, instalações industriais e vias públicas, utilizando empresas de fachada sediadas no ES para emissão de notas fiscais simulando a venda de sucata para siderúrgicas instaladas no Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Minas Gerais. Por meio dessas empresas, os empres√°rios emitiam notas fiscais simulando a venda de sucata para outros estados, beneficiando-se de incentivos fiscais do Programa de Desenvolvimento e Proteção à Economia do Estado do Espírito Santo (COMPETE), em prejuízo à Fazenda fluminense.

O GAECO e a Polícia Civil também apuraram que as empresas registradas no ES pagavam apenas 1% de ICMS, em vez dos 12% praticados no Rio de Janeiro. Entretanto, as mercadorias são embarcadas nos centros de reciclagem administrados pela organização criminosa em Campos dos Goytacazes, para posteriormente serem remetidas para siderúrgicas instaladas nos quatro estados da região Sudeste. Essas empresas de fachadas emitiam as notas fiscais como se a sucata fosse enviada pelas sociedades, cometendo fraude fiscal, com a sonegação do ICMS devido ao estado do Rio de Janeiro.

Ainda segundo o GAECO/MPRJ e a PCERJ também foi identificada a aquisição de bens de luxo pelos investigados, sem comprovação da origem de recursos, adquiridos em leilão por meio de pagamento à vista, através de transfer√™ncia banc√°ria, incompatível com a capacidade financeira dos mesmos, o que caracteriza indício da pr√°tica de lavagem de dinheiro.

Comunicar erro
Campos Informa

© 2023 Campos Informa - Todos os direitos reservados.

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Campos Informa